click

Há muito vem se falando sobre o poder das redes sociais na vida das pessoas, tanto no âmbito de relacionamento, como no campo profissional (social media) e até na hora das compras. Estudam mostram que 72% da população leva em consideração a opinião de amigos e familiares na hora de realizar suas compras, o que abriu as portas para o social commerce.

Redes Sociais no hábito de consumo dos brasileiros

Nós, brasileiros, adoramos nos comunicar, compartilhar nossas opiniões, interagir e, por isso, as redes sociais obtiveram um enorme sucesso no país: primeiro veio o Orkut, posteriormente o MySpace (que não se popularizou muito no país), o Twitter, o Facebook e mais algumas centenas de redes e mídias sociais em diversas categorias como YouTube, Delicious e Flickr.

Diante desse boom da Internet, das redes sociais e dos sites de compra coletiva, a empresa de mercado Oh!Panel realizou uma pesquisa encomendada pelo site de compra e venda, Mercado Livre, e divulgada pelo site da revista Veja com 679 brasileiros e 579 cidadãos da Argentina, Chile, Colômbia, Equador e Peru, entre abril e maio de 2011.

Segundo a pesquisa, mais da metade do brasileiros presentes nas redes sociais já as usam para adquirir produtos e serviços, tornando-se um hábito entre os brasileiros (56%) enquanto os demais países pesquisados 49,4%. Além disso, seis em cada dez usuários de Internet no Brasil realizam pesquisas sobre produtos ou serviços em sites como o Twitter, taxa também superior à registrada em outras nações que é de 58,9%.

Recomendações de amigos nas redes sociais pesa mais que a opinião de especialistas e vendedores

Dos entrevistados de todos os países 72,8% dizem confiar mais na recomendação de amigos nas redes sociais do que na opinião de um especialista na hora de comprar produtos e serviços. Além das três plataformas mais populares no Brasil – Orkut, Twitter e Facebook -, a sondagem considerou os serviços LinkedIn, Sonico, Hi5 e MySpace.

A pesquisa mostrou ainda que mais de 40% dos brasileiros entrevistados acompanham a atuação de suas marcas favoritas nas redes. Eles apresentam duas razões para isso: conhecer novos produtos (81%) e encontrar novas ofertas (75,6%).

Fonte: Agência RS