O Brasil é bem rígido quando se trata de fazer publicidade infantil. E não é por menos, nossas crianças estão expostas aos comercias diariamente durante muitas horas ao dia, ainda mais se considerarmos os canais fechados só para crianças que contam com propagandas somente de cunho infantil, afim de atingir facilmente seu target.

Por isso o Connar tem seu código de auto regulamentação publicitária com normas a serem seguidas e respeitadas. Afim, de proteger as crianças de publicidades inadequadas a seu público.

Para os profissionais da área a dica é pensar que uma criança não sabe distinguir o comercial do real, portanto o bom senso de não utilizar crianças fazendo coisas perigosas, pois elas sabem que é apenas um comercial de TV e que lá nada de ruim acontece. Portanto, sempre saiba que a imaginação delas não tem limites, então não de brechas para que elas se sintam instigadas a fazerem o mesmo que viram na TV.

Sempre pense antes de comunicar algo para uma criança se está adequado a ela, se você não notar problemas em deixar, seus filhos, sobrinhos, primos e afins assistirem tal propaganda provavelmente ela precisa de poucas alterações para ficar perfeita. O bom senso é chave para ter sucesso em campanhas infantis sem infringir a lei e atacar a ética.

Segue abaixo uma lista de coisas que não podem conter uma propaganda infantil, confira se as suas estão dentro das normas:

• É proibido o uso do imperativo, como “compre” ou “peça para seus pais”.

•Não pode conter conteúdos que desvalorizem a família, escola, vida saudável, proteção ambiental, ou que contenha algum tipo de preconceito racial, religioso ou social.

•Não pode ser apresentada em formato jornalístico.

•Não pode difundir o medo nas crianças, expô-la a situações perigosas ou simular constrangimento por não poder consumir o produto ou serviço anunciado.

•Não pode desmerecer o papel dos pais e educadores como orientadores para se ter hábitos alimentares saudáveis.

• É proibido apresentar produtos que substituem as refeições.

•Não pode encorajar o consumo excessivo de alimentos e bebidas.

•Não pode menosprezar a alimentação saudável.

• É proibido associar crianças e adolescentes a situações ilegais, perigosas ou socialmente condenáveis.

•Não pode fazer merchandising em programas dirigidos a crianças ou utilizando personagens do universo infantil para atrair a atenção desse público

Para saber mais veja esse pdf com a campanha somos todos responsáveis: http://bit.ly/14dKpjF